SGBD: Explore Diferentes Tipos, Vantagens e Aplicações Práticas

sgbd-banco-de-dados-relacional
Tabela de Conteúdo Mostrar

Primeiramente, os Sistemas de Gerenciamento de Banco de Dados (SGBD) são fundamentais no mundo da tecnologia da informação. Eles não apenas gerenciam bases de dados de forma eficiente, mas também se adaptam a diferentes necessidades e contextos. Além disso, existem diversos tipos de SGBD, cada um com suas características, vantagens e usos específicos. Bem como os tradicionais SGBDs relacionais até os mais modernos SGBDs não relacionais, a variedade é vasta e atende a diferentes demandas. Em outras palavras, esses sistemas desoneram as aplicações dos clientes de manipular e organizar dados, atuando como intermediários e oferecendo uma interface para inclusão, alteração e consulta de informações. Por exemplo, nos bancos de dados relacionais, essa interface é amplamente baseada em APIs ou drivers do SGBD que executam comandos em SQL.

1. O que é um SGBD

Em outras palavras, um banco de dados consiste em uma coleção de tabelas relacionadas que geralmente se integram, se vinculam ou se referenciam umas às outras. Além disso, o banco de dados permite organizar e recuperar facilmente os dados e registros de diferentes tabelas usando um software especializado chamado sistema gerenciador de banco de dados (SGBD) ou gerente de banco de dados.

Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD) O que é e como funcionam

Depois de ler esta lição, você deve ser capaz de:

  • Primeiramente, definir o sistema de gerenciamento de banco de dados (SGBD).
  • A seguir, descrever o propósito e funções básicas de um SGBD.
  • Afinal, discutir as vantagens e desvantagens de SGBDs.

Fundamentos SGBD

Do mesmo modo, um sistema de gerenciamento de banco de dados é um conjunto de programas de software que permite aos usuários criar, editar, atualizar, armazenar e recuperar dados em tabelas de banco de dados. Além disso, usando um SGBD, você pode acrescentar, apagar, alterar e classificar dados em um banco de dados. Ademais, em uma grande organização, diferentes tabelas provavelmente armazenariam informações sobre um empregado. Ou seja, ao fazer referência cruzada dessas tabelas, alguém poderia alterar o endereço de uma pessoa em uma tabela, e essa mudança refletiria automaticamente em todas as outras tabelas.

Diferentes Tipos de SGBD:

  1. SGBD Relacional (RDBMS):
    • Estes são os SGBD mais populares e armazenam dados em tabelas relacionadas. Cada tabela tem chaves e índices que permitem estabelecer relações entre diferentes tabelas.
    • Exemplo: Oracle, MySQL, Microsoft SQL Server e PostgreSQL.
  2. SGBD Não Relacional (NoSQL):
    • Estes SGBD são projetados para armazenar dados não estruturados ou semi-estruturados, como documentos JSON ou pares chave-valor.
    • Exemplo: MongoDB, Cassandra e Redis.
  3. SGBD Orientado a Objetos:
    • Estes SGBD armazenam dados na forma de objetos, assim como são tratados nas linguagens de programação orientadas a objetos.
    • Exemplo: ObjectDB e db4o.
  4. SGBD Hierárquico:
    • Os dados são organizados em uma estrutura de árvore, onde um registro tem apenas um proprietário.
    • Exemplo: IBM IMS.
  5. SGBD de Rede:
    • Semelhante ao hierárquico, mas permite que cada registro tenha múltiplos pais.
    • Exemplo: IDMS.

Vantagens do SGBD:

  1. Centralização dos Dados: Em um SGBD, os dados são armazenados em um local centralizado, facilitando o acesso e a gestão. Isso elimina a necessidade de múltiplas cópias dos mesmos dados em diferentes locais.
    • Exemplo: Uma empresa multinacional tem filiais em vários países. Em vez de cada filial manter seu próprio banco de dados, um SGBD centralizado permite que todas as filiais acessem e atualizem informações em tempo real a partir de um único local.
  2. Redução de Redundâncias: O SGBD evita a duplicação desnecessária de dados, garantindo que cada item de informação seja armazenado apenas uma vez.
    • Exemplo: Em uma universidade, tanto o departamento de admissões quanto o departamento financeiro precisam de informações sobre os alunos. Sem um SGBD, ambos os departamentos podem manter cópias separadas desses dados. Com um SGBD, eles podem acessar a mesma informação, evitando duplicações.
  3. Integridade dos Dados: Através de regras e restrições, o SGBD garante que os dados armazenados sejam precisos e consistentes.
    • Exemplo: Uma loja online tem um SGBD que garante que o estoque de um produto nunca caia abaixo de zero, evitando vendas de produtos não disponíveis.
  4. Independência de Dados: Alterações na estrutura física do banco de dados não afetam os programas e consultas, garantindo flexibilidade e escalabilidade.
    • Exemplo: Uma empresa decide mudar seu sistema de armazenamento de discos rígidos para armazenamento em nuvem. Com um SGBD, os aplicativos que acessam o banco de dados não precisam ser modificados, pois a mudança é transparente para eles.
  5. Segurança: Os SGBDs oferecem recursos robustos de segurança, como autenticação e autorização, para proteger os dados contra acessos não autorizados.
    • Exemplo: Um hospital usa um SGBD para armazenar registros médicos de pacientes. O SGBD garante que apenas médicos autorizados possam acessar informações sensíveis, protegendo a privacidade dos pacientes.
  6. Multiusuário: Permite que vários usuários acessem o banco de dados simultaneamente sem conflitos.
    • Exemplo: Em uma biblioteca, vários bibliotecários podem acessar e atualizar simultaneamente o banco de dados de livros, sem interferir nas transações uns dos outros.
  7. Backup e Recuperação: Em caso de falhas ou erros, os SGBDs têm mecanismos para restaurar os dados a partir de backups.
    • Exemplo: Uma empresa sofre um apagão e perde dados recentes. Com o recurso de recuperação do SGBD, a empresa pode restaurar seus dados a partir do último backup, minimizando a perda de informações.

Desvantagens:

  1. Complexidade: Os SGBDs podem ser complexos e exigir treinamento especializado para sua operação e manutenção.
    • Exemplo: Uma pequena empresa decide implementar um SGBD avançado. No entanto, eles descobrem que precisam de treinamento especializado para configurar e gerenciar o sistema, tornando o processo mais complicado do que o esperado.
  2. Custo: A aquisição e manutenção de um SGBD comercial pode ser cara, especialmente para pequenas empresas.
    • Exemplo: Uma startup está considerando usar um SGBD comercial de ponta. No entanto, ao avaliar os custos de licença e manutenção, eles percebem que o investimento é muito alto para o seu orçamento atual.
  3. Desempenho: Em alguns casos, especialmente quando mal configurados, os SGBDs podem apresentar lentidão nas operações.
    • Exemplo: Uma empresa de comércio eletrônico percebe que seu site está lento durante picos de tráfego. Após investigação, descobrem que o SGBD não está otimizado para lidar com um grande volume de consultas simultâneas.
  4. Limitações de Design: Alguns SGBDs podem não oferecer a flexibilidade necessária para atender a requisitos específicos de design ou modelagem de dados.
    • Exemplo: Uma organização de pesquisa deseja armazenar dados em um formato específico que não é suportado pelo SGBD que estão usando. Eles precisam encontrar soluções alternativas ou considerar a mudança para um sistema diferente.

Que características distinguem um SGBD ?

Catálogo

  • Um SGBD mantém não apenas o Banco de Dados, mas também uma definição e descrição das estruturas e restrições (catálogo – metadados)
  • Nesse sentido, a existência do catálogo permite que um mesmo SGBD possa ser utilizado para aplicações distintas (o catálogo indica uma estrutura física utilizada)

Independência de Dados

  • Por exemplo, um SGBD dá aos usuários uma visão abstrata dos dados, encobrindo detalhes não relevantes (o usuário-desenvolvedor não precisa saber como os dados são fisicamente armazenados).

Múltiplas Visões dos Dados

  • Ou seja, cada usuário pode exigir uma visão diferenciada da base de dados

Compartilhamento e Transações

  • Controle de concorrência

Características Desejáveis numa Database

  • Controle de Redundância;
  • Compartilhamento de Dados;
  • Controle de Acesso aos Dados;
  • Múltiplas Interfaces;
  • Representação de associações complexas;
  • Garantia de restrições de Integridade;
  • Recuperação de falhas.

SGBDs gerenciam:

  • Sócios e listas de discussão de subscrição
  • Informação contábil e contabilidade
  • Os dados obtidos a partir de pesquisa científica
  • Informações de clientes
  • Informações de inventário
  • Registros pessoais
  • Informações da biblioteca

Lição de encerramento

Nesta lição, um sistema de gerenciamento de base de dados foi definida, bem como os seus efeitos e funções. Um dos aspectos mais poderosos de um SGBD é a capacidade de organizar e recuperar dados a partir de diferentes, mas relacionadas, tabelas. No entanto, usando Bancos de Dados tem suas vantagens e desvantagens. Além disso, à medida que avançar com a sua carreira, você deve estar ciente das vantagens e desvantagens que acompanham o uso dessas ferramentas informatizadas. Ademais, as compensações que temos discutido até agora incluem coisas como a redundância, precisão, acessibilidade e facilidade de utilização de dados em um SGBD. Por fim, ser educado sobre os pontos fortes e fracos de SGBDs lhe permitirá tomar decisões mais eficazes sobre como organizar e utilizar os dados.

Agora que você completou esta lição, você deve ser capaz de:

  • Definir o termo sistema de gerenciamento de banco de dados (SGBD).
  • Descrever o propósito e funções básicas de um SGBD.
  • Discutir as vantagens e desvantagens de SGBDs.

2. Usuários

Antes de mais nada, todo agrupamento de bancos de dados possui um conjunto de usuários de banco de dados. Além disso, estes usuários são distintos dos usuários gerenciados pelo sistema operacional onde o servidor executa. Os usuários possuem objetos de banco de dados (por exemplo, tabelas), e podem conceder privilégios nestes objetos para outros usuários controlando, assim, quem pode acessar qual objeto.

Depois de ler esta lição, você deve ser capaz de:

  • Definir os tipos de usuários de banco de dados.
  • Descrever o propósito e funções básicas de um usuário.

Administrador de Banco de Dados (DBA)

Antes de mais nada, em um ambiente de banco de dados, o recurso primário é o banco de dados por si só e o recurso secundário o SGBD e os softwares relacionados. Além disso, a administração destes recursos cabe ao Administrador de Banco de Dados, o qual é responsável pela autorização de acesso ao banco de dados e pela coordenação e monitoração de seu uso. Ou seja ele coordena todas as atividades do sistema de banco de dados; possui boa compreensão dos recursos de informação da empresa e suas necessidades.

Suas funções incluem:

  • Definição do esquema
  • Estrutura de armazenamento e definição de acesso aos dados
  • Esquema físico e organização
  • Concede acesso aos usuários
  • Cuida da integridade dos dados
  • Atua como elo com os usuários
  • Acompanha a desempenho, e responde as mudanças exigidas
  • Atividades de manutenção (Backups)

Projetista de Banco de Dados

Antes de tudo, o Projetista de Banco de Dados identifica os dados que o banco de dados deve armazenar e escolhe a estrutura correta para representá-los e armazená-los. Além disso, muitas vezes, os projetistas de banco de dados atuam como “staff” do DBA, assumindo outras responsabilidades após a construção do banco de dados. Ademais, é função do projetista também avaliar as necessidades de cada grupo de usuários para definir as visões que serão necessárias, integrando-as, fazendo com que o banco de dados seja capaz de atender a todas as necessidades dos usuários.

Usuários Finais

Existem basicamente três categorias de usuários finais que são os usuários finais do banco de dados, fazendo consultas, atualizações e gerando documentos:

  • Usuários casuais: acessam o banco de dados casualmente, mas que podem necessitar de diferentes informações a cada acesso; utilizam sofisticadas linguagens de consulta para especificar suas necessidades;
  • Usuários novatos: ou paramétricos usam porções pré-definidas do banco de dados e aplicam consultas pré-estabelecidas que alguém já testou exaustivamente.
  • Usuários sofisticados: são usuários que estão familiarizados com o SGBD e realizam consultas complexas.

Analistas de Sistemas e Programadores de Aplicações

A princípio, os analistas determinam os requisitos dos usuários finais e desenvolvem especificações para transações que atendam estes requisitos, e os programadores implementam estas especificações como programas, testando, depurando, documentando e dando manutenção no mesmo. Afinal, é importante que, tanto analistas quanto programadores, estejam a par dos recursos oferecidos pelo SGBD.

3. Tipos de SGBD mais usados

Banco de dados não relacional

Antes de tudo, SGBDs vêm em muitas formas e tamanhos. Além disso, por algumas centenas de dólares ou até mesmo de forma gratuita, você pode comprar um SGBD para o seu computador desktop, para sistemas maiores os SGBDs podem ser muito mais caros. Ademais, muitos SGBDs são baseados em mainframe e alugados por organizações. Ainda assim, SGBDs desta escala são altamente sofisticados e seria extremamente caro para desenvolver a partir do zero. Portanto, é mais barato para uma organização alugar um programa que desenvolvê-lo. Uma vez que há uma variedade de SGBDs disponíveis, você deve conhecer algumas das carácterísticas básicas, bem como os pontos fortes e fracos, dos principais tipos.

Tipos estruturais de sistemas de gerenciamento de banco de dados mais utilizados:


Relacional

Primeiramente, os sistemas de gerenciamento de banco de dados relacional (RDBMS) suportam o modelo de dados relacional (= orientado a tabela) ou apenas modelo relacional. Além disso, o esquema de uma tabela (= esquema de relação) é definido pelo nome da tabela e um número fixo de atributos com tipos de dados fixos. Ou seja, um registro (= entidade) corresponde a uma linha da tabela e consiste nos valores de cada atributo. Uma relação, portanto, consiste em um conjunto de registros uniformes.

Os esquemas de tabelas são gerados por normalização no processo de modelagem de dados.

Certas operações básicas são definidas nas relações:

  • operações clássicas de conjunto (união, interseção e diferença)
  • Seleção (seleção de um subconjunto de registros de acordo com certos critérios de filtro para os valores de atributo)
  • Projeção (selecionando um subconjunto de atributos / colunas da tabela)
  • Join: conjunção especial de múltiplas tabelas como uma combinação do produto cartesiano com seleção e projeção.

    Essas operações básicas gerenciam bases e permitem as operações de criação, modificação e exclusão de esquemas de tabelas. Além disso, as operações de controle de transações e gerenciamento de usuários se realizam por meio de linguagens de banco de dados, com o SQL sendo um padrão bem estabelecido para essas linguagens.

Os primeiros sistemas de gerenciamento de banco de dados relacional surgiram no mercado no início da década de 1980 e, desde então, são o tipo mais comumente usado .

Flexibilidade ao Modelo de Dados

Bancos de dados relacionais se caracterizam pela relação entre tabelas de dados. Eles conectam informações em diferentes tabelas usando campos chave primária. Em essência, cada tabela em um banco de dados relacional tem um campo chave que identifica unicamente cada registro. Essa estrutura relacional é mais flexível do que modelos hierárquicos ou de rede. As conexões entre as tabelas são chamadas de relações, com cada linha sendo uma tupla e cada coluna, um atributo.

A operação de bancos de dados relacionais se baseia na ideia de que cada tabela tem um campo chave para conectar-se a outras. Por exemplo, uma tabela pode ter um número de conta de cliente como chave primária, que se relaciona com outra tabela com detalhes de devoluções, que por sua vez se conecta a uma terceira tabela com informações do produto. Isso permite associar informações do cliente a detalhes de produtos de forma integrada.

A popularidade dos bancos de dados relacionais se deve, em grande parte, à sua facilidade de uso e à capacidade de modificar entradas sem alterar toda a estrutura. No entanto, uma desvantagem é que a busca de dados pode ser mais lenta em comparação com outros métodos. Com o tempo, surgiram SGBDs que combinam conceitos relacionais e não relacionais, muitas vezes referidos como DBMS objeto-relacional.

SGBD relacionais mais populares


Existem várias opções populares quando se trata de sistemas de gerenciamento de bancos de dados (SGBDs), e entre as mais conhecidas estão o PostgreSQL, o MySQL, o MariaDB, o Oracle e o SQL Server. Esses SGBDs têm desempenhado papéis significativos no cenário da tecnologia da informação, atendendo a diversas necessidades e oferecendo recursos poderosos para o armazenamento e a recuperação de dados.

MariaDB é um SGBD derivado do MySQL, mantendo a compatibilidade com o código-fonte e os comandos SQL, mas adicionando melhorias e recursos adicionais. Ele é conhecido por sua velocidade, estabilidade e segurança, além de oferecer suporte a recursos avançados, como replicação síncrona e assíncrona, clustering e particionamento.

PostgreSQL é um SGBD de código aberto que se destaca por sua robustez e flexibilidade. Ele suporta uma ampla gama de recursos avançados, como transações ACID (Atomicidade, Consistência, Isolamento e Durabilidade), integridade referencial, consultas complexas e replicação. Com sua arquitetura orientada a objetos, o PostgreSQL permite que os desenvolvedores construam aplicativos altamente escaláveis e seguros.

Destaques de SGBDs Reconhecidos no Mercado

Antes de mais nada, o MySQL é outro SGBD popular, amplamente utilizado em várias aplicações web. Da mesma forma, com sua velocidade e eficiência, o MySQL é uma escolha comum para sites e aplicativos que precisam lidar com um grande volume de consultas e transações. Além disso, ele também oferece recursos avançados, como replicação, particionamento de tabelas e suporte a transações ACID. Além disso, o MySQL possui uma grande comunidade de desenvolvedores e uma vasta quantidade de documentação disponível.

Oracle é um SGBD comercial líder de mercado, conhecido por sua escalabilidade, confiabilidade e desempenho. Ele é amplamente utilizado em empresas de grande porte para lidar com grandes volumes de dados e aplicativos de missão crítica. O Oracle oferece uma ampla gama de recursos avançados, como alta disponibilidade, recuperação de desastres, particionamento avançado e segurança robusta.

SQL Server, desenvolvido pela Microsoft, é um SGBD poderoso e amplamente utilizado no ambiente Windows. Ele oferece uma variedade de recursos avançados, como suporte a transações ACID, replicação, integração com a plataforma .NET e ferramentas de business intelligence. O SQL Server é conhecido por sua facilidade de uso e pela integração com outros produtos da Microsoft.

SGBD relacionais mais populares

Banco de dados orientado a Documentos

Os sistemas de banco de dados orientados a documentos caracterizam-se pela sua organização de dados sem esquemas.

Que significa:

  • Os registros não precisam ter uma estrutura uniforme, ou seja, registros diferentes podem ter colunas diferentes.
  • Os tipos de valores de colunas individuais podem ser diferentes para cada registro.
  • As colunas podem ter mais de um valor (matrizes).
  • Os registros podem ter uma estrutura aninhada.

    Antes de tudo, armazenamentos de documentos frequentemente utilizam notações internas, como o JSON, que aplicativos podem processar diretamente. Além disso, é possível armazenar documentos JSON como texto puro em sistemas de armazenamento de valores-chave ou em sistemas de banco de dados relacionais. Isso, no entanto, exigiria o processamento das estruturas do lado do cliente, o que tem a desvantagem de os recursos oferecidos pelos armazenamentos de documentos (como índices secundários) não estarem disponíveis.

SGBD orientados a documento mais populares

Em primeiro lugar, entre os exemplos mais populares de bancos de dados orientados a documentos estão o MongoDB e o CouchDB. Além disso, o MongoDB é um SGBD de código aberto que se destaca por sua escalabilidade e flexibilidade. Bem como, ele oferece uma estrutura de dados semelhante a documentos, permitindo que os desenvolvedores armazenem e acessem dados de maneira intuitiva e eficiente. Nesse sentido, o MongoDB é amplamente utilizado em aplicações web, onde a capacidade de expansão horizontal é essencial para lidar com um grande volume de dados.

Acima de tudo, o CouchDB, por sua vez, é um exemplo de SGBD orientado a documentos que foca na facilidade de uso e na capacidade de sincronização de dados. Bem como, permite a replicação de documentos em várias instâncias do banco de dados, o que se mostra particularmente útil em cenários com conectividade à internet intermitente. Além disso, o CouchDB tem uma arquitetura distribuída que permite armazenar e sincronizar dados em vários nós de um cluster.

Exemplos mais populares

orientados a documento mongodb couch

Armazenamento de chave-valor

Antes de mais nada, armazenamento de valores-chave são provavelmente a forma mais simples de sistemas de gerenciamento de banco de dados . Eles só podem armazenar pares de chaves e valores, bem como recuperar valores quando uma chave é conhecida.

A princípio, esses sistemas simples normalmente não se adequam a aplicativos complexos. Contudo, essa mesma simplicidade atrai o uso desses sistemas em certas situações. Por exemplo, sistemas incorporados frequentemente utilizam armazenamentos de valores-chave eficientes em recursos, assim como bancos de dados em processos de alto desempenho.

Formulários Avançados
Uma forma estendida de armazenamentos de valores-chave é capaz de classificar as chaves e, portanto, permite consultas de intervalo, bem como um processamento ordenado de chaves.

Muitos sistemas fornecem extensões adicionais para que possamos ver uma transição razoavelmente contínua para armazenamentos de documentos e grandes armazenamentos de colunas .

SGBD Chave-valor mais populares

Primeiramente, o Redis é um SGBD chave-valor de código aberto amplamente adotado, conhecido por sua alta velocidade e desempenho. Além disso, ele armazena os dados em memória, o que permite uma recuperação extremamente rápida e eficiente. Ademais, o Redis oferece uma variedade de recursos avançados, como estruturas de dados complexas, suporte a replicação e persistência em disco. Ou seja, muitas aplicações usam o Redis para caching, gerenciamento de sessões, filas de mensagens e análise de dados em tempo real.

Assim como o DynamoDB é um serviço de banco de dados totalmente gerenciado da Amazon Web Services (AWS). Além disso, ele oferece escalabilidade automática e alta disponibilidade, tornando-o uma escolha popular para aplicações em nuvem. Ou seja, o DynamoDB também é um banco de dados chave-valor, onde os dados são armazenados e acessados por meio de chaves únicas. Ele oferece latência baixa e consistentemente rápida, bem como suporte a replicação e recuperação automática de falhas. O DynamoDB é frequentemente utilizado em aplicações web, jogos e sistemas de gerenciamento de sessões.

SGBDs Chave-valor - redis - dynamoDB

Em síntese, observamos que os SGBDs se apresentam de diversas maneiras. Além disso, analisamos e contrastamos as diferentes estruturas de SGBDs, destacando suas vantagens e desvantagens. Portanto, como profissional da área, pode surgir a necessidade de selecionar um SGBD específico. Dessa forma, esta lição serve como uma introdução valiosa, ajudando a entender as nuances e considerações envolvidas.

Agora que você completou esta lição, você deve ser capaz de:

  • Comparar e contrastar a estrutura dos diferentes sistemas de gerenciamento de bancos de dados.
  • Definir Bancos de Dados relacionais.
  • Definir os Bancso de dados orientado a Documentos.
  • Definir Bancos de Dados de Armazenamento de valores-chave.

Crie um Modelo Relacional

Antes de tudo, hoje em dia a maioria dos sistemas de base de dados são do tipo relacional. Além disso, Databases relacionais têm valiosos atributos que a distinguem como superior. Além disso,, provavelmente o mais importante é você pode mudar a estrutura de dados sem alterações nas aplicações. Suponha, por exemplo, que você adicione uma ou mais colunas numa tabela. Embora você não precisa alterar nenhum aplicativo que o sistema vai continuar a processar. Ademais, se você remover uma coluna que uma aplicação existente utiliza, você vai ter problemas. Depois de ler esta lição, você deve ser capaz de:

  • Definir Bancos de Dados relacionais.
  • Discutir as funções e capacidades de uma Base de Dados Relacional
  • Definir os objetos de um Banco de Dados Relacional

 

Objetos de banco de dados relacional

Veremos agora uma breve descrição dos objetos que compõem um banco de dados do tipo relacional.


Tabelas
São os objetos que contém os tipos de dados e os dados reais
Colunas ou CamposSão as partes das tabelas que armazenam os dados. Devem receber um tipo de dados e ter um nome único
Tipos de dadosHá vários tipos de dados para serem utilizados como: caráctere, número, data. Um único tipo de dados é atribuído a uma coluna dentro de uma tabela
Storeds Procedures (procedimentos armazenados)São como macros em que o código Transact-SQL pode ser escrito e armazenado sob um nome.
Triggers (gatilhos)São como storeds procedures que são automaticamente ativados quando os dados são inseridos, alterados ou apagados. Asseguram que regras de negócio e de integridade dos dados sejam impostas ao banco de dados.
Regras (rules)São atribuídas a colunas de modo que os dados que estão sendo  inseridos devem se adaptar aos padrões definidos. Por exemplo, pode-se utilizar regras para permitir que um campo que irá armazenar a UF contenha somente Estados válidos.
Views (visualizações)Consistem basicamente em consultas armazenadas nos bancos de dados que podem fazer referência a uma ou muitas tabelas. Você pode criar e salvar views e utiliza-las no futuro. Normalmente excluem certas colunas de uma tabela e vinculam duas ou mais tabelas entre si. Podem ser utilizadas também como mecanismo de segurança.

 

Chaves e Padrões

Chaves Primárias (PK)Embora não sejam objetos em si, as chaves são essenciais para os bases de dados relacionados. Promove a carácterística de unicidade das linhas, proporcionando uma maneira de identificar de forma única cada item que você queira armazenar.
Chaves Estrangeiras (FK)Novamente, não são objetos em si, as chaves estrangeiras são colunas que fazem referências as chaves primárias de outras tabelas.
Padrões (Defaults)Podem ser configurados em campos de modo que, se nenhum dado for inserido durante uma operação de Insert, os valores padrão serão utilizados.
ÍndicesPodem ajudar os dados de modo que as consultas executem mais rápido

 

Perguntas Frequentes

SGBD o que é?

Um SGBD é um software projetado para gerenciar bancos de dados, permitindo o armazenamento, acesso e manipulação eficiente de dados.

Quais são os tipos de SGBDs mais comuns?

Os tipos mais comuns de SGBDs são os SGBDs relacionais, orientados a objetos e hierárquicos.

O que é um modelo de dados?

O modelo de dados organiza e estrutura os dados dentro de um SGBD.

 

Sobre o Autor

Antes de tudo, o Prof. Eduardo Henrique Gomes possui uma trajetória notável na área de tecnologia da informação e educação. Além disso, atua há mais de 15 anos como professor no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo (IFSP) em Cubatão, ele tem contribuído significativamente para a formação de profissionais capacitados. Além de sua carreira acadêmica, Eduardo demonstrou habilidades práticas como Analista de Suporte e CEO da UNOSITE, uma empresa focada em hospedagem e desenvolvimento de sites. Ademais, sua formação acadêmica é robusta, com um mestrado em Engenharia da Informação pela UFABC e uma pós-graduação em Engenharia da Computação pela Universidade Federal de Uberlândia.

No que diz respeito a Banco de Dados, suas competências são respaldadas por múltiplas recomendações em SQL e MySQL, destacando sua proficiência e reconhecimento no campo. Além disso, sua expertise em Web Design e Desenvolvimento Web complementa sua habilidade em integrar bancos de dados a soluções web eficientes.

Saiba mais no Linkedin

Prof. Eduardo H Gomes
Prof. Eduardo H Gomes

Mestre em Engenharia da Informação, Especialista em Engenharia da Computação, Cientista da Computação, Professor de Inteligência Artificial no IFSP, 18 anos de docência no Ensino Superior. Apaixonado por Surf, Paraglider, Mergulho livre, Tecnologia, SEO, Banco de Dados e Desenvolvimento Web.